Até 2016, maioria dos novos investimentos em TI será na nuvem


De acordo com o Gartner, “o uso da computação em nuvem continua crescendo e, em 2016, esse crescimento vai aumentar para tornar-se a maior parte dos investimentos de TI. 2016 será um ano decisivo para a nuvem, com as nuvens privadas começando a dar lugar às nuvens híbridas, e quase metade das grandes empresas terá implementações de nuvens híbridas até ao fim de 2017″.

Essas são previsões bastante ambiciosas, considerando que só agora estamos a começando a ver os primeiros projetos. Eque muitas empresas ainda têm reservas sobre cloud computing e consideram a tecnologia a opção menos segura, segundo Mette Ahorlu, Diretora de Pesquisas de Europe Services do IDC. De fato, a maior migração de aplicações para a nuvem deve ocorrer ao longo dos próximos anos. Se tudo correr dentro do cronograma, a previsão de crescimento da Gartner se tornará realidade.

David Linthicum, da Infoworld, já não tem tanta certeza quanto à previsão sobre as nuvens híbridas. Na opinião dele, as empresas vão utilizar uma variedade de modelos de nuvem, resultando numa realidade “multicloud” em vez de híbrida. Muitas empresas estão descobrindo que as implantações de nuvem capazes de atenderem às suas necessidades são mais complexas do que os modelos de nuvem privados, públicos ou híbridos.

De qualquer forma, o crescimento da nuvem será impulsionado, em grande parte, pelas áreas de negócio, e não pela área de TI. O maior impulso para a adopção da computação em nuvem virá principalmente das empresas que procuram formas mais eficientes para fornecerem serviços de TI, diminuir o “time to market” e aumentar a agilidade.

Em entrevista publicada pelo blog Zero Distance, da T-Systems Brasil, Mette Ahorlu diz que a consultoria tem notando um aumento no uso de ferramentas de produtividade para a nuvem, por exemplo. As próximas grandes descobertas devem ser no terreno de testes e nas soluções de business intelligence. A longo prazo, a expectativa é ver as pessoas migrarem seus sistemas centrais de ERP para a nuvem. E haverá várias tendências com foco em mercados verticais – porque mais e mais empresas estão reconhecendo que uma mesma solução não serve para todos. Análise de Big Data é alguma coisa sobre a qual estamos ouvindo muito justo agora – e uma coisa que os usuários gostariam de tirar mais proveito na nuvem no futuro.

Linthicum acredita que o crescimento será mais em torno do desenvolvimento de aplicações e migração de aplicações do que motivado pela redução de custos com infraestrutura. É do lado das aplicações que encontramos o maior valor para a nuvem, e onde o verdadeiro trabalho precisa de ser feito para que as empresas possam obter uma vantagem significativa da infraestrutura mais barata oferecida pela nuvem.

Na opinião de ambos, cloud vai crescer em importância como um modelo de entrega e tornar-se uma parte integral da TI moderna.”Tradicionalmente os CIOs constroem a TI. Mas os CIOs do futuro serão compradores e não construtores – eles vão gastar seu tempo buscando soluções de TI como serviço ao invés de cria-las”, afirma Mette Ahorl.

Parece que todos os CIO vão estar muito ocupados em 2015 e 2016.

cloudtsystems

Leia mais sobre o impacto de tecnologias disruptivas como computação em nuvem, big data, mobilidade e mídia social na vida dos CIOs no blog Zero Distance.

Fonte: CIO

Abs

Luiz

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: