Colabore ou se torne irrelevante


A chamada tecnologia disruptiva abala as nossas ideias sobre o que é possível e como as empresas podem operar e prosperar. Quando a plataforma Linux ganhou popularidade na década de 1990, foi considerada uma tecnologia disruptiva que muitas empresas estavam relutantes em utilizar e, muito menos, em explorar para fins comerciais.

Hoje, vemos que Linux e o conceito de open source mudaram tanto a cultura dos negócios e da tecnologia que muitas pessoas não podem imaginar trabalhar sem eles. O Watson poderia existir sem o Linux? A resposta, naturalmente, é não.

As inovações estimuladas por essas tecnologias abriram novas possibilidades, expandiram  novos mercados e mudaram valores de negócio. Open source ganhou relevância e cada vez mais organizações o adotam, devido à sua flexibilidade e natureza colaborativa. Novas comunidades surgiram para trabalhar em conjunto no avanço do código aberto e Linux, e empresas estão usando equipes colaborativas para criar e desenvolver novas soluções de negócio.

Vale destacar que as empresas também estão mais ágeis, graças à variação da economia e à rápida evolução das tendências de negócios, que exigem que as companhias sejam mais velozes em aceitar, entender e executar as mudanças. Open source e open standards permitem que as corporações construam infraestruturas e explorem as capacidades fora de suas próprias organizações.

Dentro de casa, percebemos que a colaboração entre a IBM e parceiros, como Red Hat e Suse, é essencial para as comunidades open source, bem como para empresas que estão adotando a tecnologia.

A natureza do conceito defende que “ou você colabora ou se torna irrelevante”, e isso tornou a indústria um campo no qual as melhores ideias vêm de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora do dia ou da semana e, muitas vezes, de colaboradores individuais.

O OpenStack é um exemplo claro e significativo de união para desenvolvimento colaborativo entre diversas empresas, inclusive concorrentes, para criarem tecnologia de grande valor aos clientes.

Por definição, o OpenStack é uma colaboração global de trabalho de desenvolvedores e tecnólogos de computação em nuvem para produzir uma infraestrutura onipresente, como uma plataforma de Service (IaaS) open source cloud computing para nuvens públicas e privadas.

Participam do desenvolvimento colaborativo do OpenStack empresas como a Rackspace, IBM, Red Hat, Suse, Canonical, entre diversas outras, além de desenvolvedores independentes.

Unir forças não só beneficia os clientes, mas também acelera o surgimento de inovações. Hoje é possível vermos empresas que são nominalmente concorrentes, mas muitas vezes trabalham juntas no mesmo projeto. É bem perceptível, então, uma mudança de paradigma no mercado, o que, se considerarmos a história da tecnologia, é algo extremamente positivo.

O open source veio para ficar. Se há alguém que não está feliz com isso, sugiro: colabore e inove! Você vai ver o que é realmente fazer a diferença no mercado.

 

Henrique Amaral é executivo de Power da IBM Brasil

 Fonte: CIO
Abs
Luiz
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: