Ano Novo, emprego novo – como me preparar?


O ano de 2013 começa e lá vamos nós: criamos novos objetivos, renovamos os que não foram alcançados, reforçamos as promessas de mudanças, iniciamos uma nova dieta e, invariavelmente, traçamos nossa estratégia para crescimento profissional e pessoal para o novo ano. E, muitas vezes, buscamos uma recolação no mercado de trabalho, uma nova oportunidade que nos permita crescer profissionalmente. Se esse for o seu caso, é imprescindível estar preparado para encarar entrevistas e processos seletivos.

Mas, o que devo fazer e como devo me comportar em entrevistas de emprego? O que é importante saber em processos seletivos na área de TI?

1º Mantenha uma versão online atualizada do currículo
Em 2013 é pouco provável que algum gerente ou recrutador solicite um currículo físico, impresso em algum formato específico. Isso até acontecia, mas nos anos 80. É bem mais provável que hoje te peçam a versão online. Neste caso, a melhor opção é o LinkedIn, considerado atualmente a segunda fonte mais importante para contratações no Brasil, atrás apenas dos sites de emprego. Por isso, mantenha o histórico e as qualificações atualizadas nesta rede, pois isso pode gerar contatos importantes de várias empresas que a utilizam como a porta de entrada para talentos em processos de seleção.

2º Menos é mais: mantenha o currículo simples
Geralmente, os currículos da área de TI costumam ser uma salada de letrinhas, com acrônimos em inglês, termos incompreensíveis e nomes de tecnologias às vezes impronunciáveis. Nem todos que iniciam um processo seletivo neste segmento estão familiarizados com tais termos. Por isso, escreva um sumário (resumo das qualificações) evitando informações muito técnicas e especializadas. Inclua esse detalhamento técnico em uma área específica no currículo (o LinkedIn tem seções específicas para isso).

Palavras em inglês são aceitas, mas procure se apresentar de uma forma mais resumida e objetiva, apresentando os pontos fortes e reforçando seus skills principais. O objetivo é que uma pessoa que não seja da área de TI, também consiga ler o currículo, entender em que você é bom e quais são suas qualificações principais. Procure na internet e surgirão inúmeras dicas para otimizar a utilização do LinkedIn.

3º Tenha uma versão em inglês do currículo
Simples assim: permita que multinacionais possam ler o currículo e saberem que você existe. “Mas eu não tenho interesse em trabalhar fora do país”. Mesmo assim, inúmeras empresas que possuem sede no Brasil praticam a língua inglesa para poderem manter um idioma padronizado entre as unidades no mundo. Se você não tem uma versão em inglês, por favor, faça isso, sua carreira agradece. (Novamente, o LinkedIn tem uma funcionalidade para gerar o perfil em diversos idiomas).

4º Tenha um “Elevator Pitch” para vender o seu peixe
Qualquer hora você pode encontrar aquele gerente responsável pela área de TI de uma empresa, ou entre uma entrevista e outra, você poderá “esbarrar” no diretor de TI daquela instituição que você já ouviu falar muito bem, mas nunca teve oportunidade de conhecer. Provavelmente, este diretor estará falando no celular e, rapidamente, irá questioná-lo: “Temos algumas oportunidades abertas mesmo, mas estou entrando em uma reunião agora. O que você sabe fazer?”. Nessa hora, é bom ter um discurso rápido e objetivo que permita “vender o teu peixe” em tempo recorde. Tente montar um speech de aproximadamente um minuto, que resuma o histórico e as qualificações. Muitas vezes a capacidade de se apresentar de forma sucinta e objetiva em um momento inesperado, é mais marcante e percebida positivamente pelas pessoas, do que a quantidade de certificações técnicas que você possui.

Busque no Google sobre “elevator pitch” e encontrará diversas formas de montar uma apresentação pessoal.

5º Conheça a empresa onde você pretende trabalhar
Se você foi contatado por um recrutador para uma entrevista, procure se informar ao máximo sobre a empresa antes. Conhecer a entidade não se limita apenas a “dar uma olhada no site”, busque conhecer a área de atuação, qual o foco do negócio, qual o histórico e como essa organização ganha dinheiro. Não importa se a área de TI for apenas um departamento de suporte e estiver apoiando a atividade primária da empresa, é fundamental buscar conhecer o “core business”. Além disso, se for possível, busque números que possam te mostrar como essa instituição está estruturada: Quantos funcionários possui? Quantas filiais? Está presente em quais países? Quais os produtos/serviços principais? Qual a missão e valores da empresa? Em casos de SA’s (Sociedade Anônima), tais informações são públicas. Quanto mais detalhes você tiver no momento da entrevista, mais fácil será impressionar o recrutador, mostrando como você se preparou e pesquisou sobre a organização.

6º Seja sincero
Uma entrevista possui uma dinâmica de perguntas e respostas, direcionadas por um recrutador que geralmente é especialista em recrutamento e seleção, e é treinado em identificar inconsistências nas respostas, por isso, mentir nunca será uma boa opção. Se você não tiver experiência ou algum conhecimento específico questionado pelo recrutador, simplesmente diga a verdade. E em vez de “enrolar” a resposta, demonstre que está aberto a aprender, se for preciso.

7º Vista-se de forma adequada
Se você pesquisar um pouco a empresa, não vai ser difícil descobrir um pouco da cultura e o que vestir para a entrevista. Na área de TI, geralmente a formalidade de terno e gravata não é necessária. Mas isso também não permite uma entrevista utilizando bermuda e chinelo. Se não conhece nada sobre a entidade (já infringindo o quinto item acima), utilize uma roupa casual, mas que demonstre que este é um momento importante para você. Isso também irá demonstrar respeito com o recrutador e com a organozação. O seu conteúdo é fundamental, mas se vier em uma embalagem bem elaborada, é provável que “as portas” irão se abrir com mais facilidade.

8º Comente experiências positivas
A maioria dos recrutadores gosta de ouvir e provavelmente irá perguntar os motivos que te fizeram sair de uma empresa, ou seja, desligamento. Todas as instituições possuem pontos positivos e negativos, com isso busque passar ao recrutador os pontos positivos das organizações onde você já trabalhou e o que você aprendeu no período que esteve lá. Reclamar de experiências anteriores apenas demonstra falta de profissionalismo e maturidade. Então quando for questionado sobre o por que de uma mudança de emprego, em vez de reclamar da entidade que você está saindo, comente sobre as novas oportunidades que irão se abrir com essa entrevista.

9º Demonstre interesse
Quando o recrutador der oportunidade para que você tire dúvidas sobre a empresa ou a vaga em questão, este pode ser o momento certo de demonstrar interesse. Por isso pergunte sobre as expectativas da instituição com o profissional que será contratado. O candidato que apenas responde o que lhe é questionado pode demonstrar um perfil desinteressado e pouco proativo. Perguntas sobre a área de atuação e a vaga são bem-vindas. Apenas tenha atenção com perguntas referentes à renumeração e benefícios. Faça perguntas com relação a isso apenas se o recrutador abrir explicitamente a entrevista para questionamentos deste tema. Geralmente, renumeração e valores não são tema de uma primeira entrevista e são deixados para as últimas partes do processo seletivo. Se o recrutador quiser falar sobre renumeração, deixe que ele te questione explicitamente sobre isso.

10º Treine o comportamento
OK, você analisou a descrição da vaga e se encaixa perfeitamente com o seu perfil. Você tem todas as competências para desenvolver a função oferecida pela empresa, basta apresentar isso no momento da entrevista e está no papo, certo? Errado. Pesquisas recentes apontam que a maioria das demissões é realizada por motivos comportamentais, e não técnicos. Por isso, grande parte das empresas não busca apenas um currículo impecável em certificações e skills técnicos, mas procuram identificar um profissional com comportamento compatível para fazer parte da organização. Muito do comportamento de uma pessoa pode e geralmente é avaliado imediatamente no momento da entrevista presencial com o recrutador. Por isso, treine a linguagem corporal para não fazer feito na entrevista:

(1) Olhe nos olhos do recrutador. Se for mais de uma pessoa, busque olhar para todos. Nada é mais desagradável que conversar com alguém que não nos olha diretamente nos olhos, isso transmite insegurança e perda de foco.

(2) Sorria. Um sorriso abre portas. Não é necessário fazer piadas, apenas sorria e demonstre ânimo. Isso cativa qualquer pessoa.

(3) Cumprimente o recrutador. Ao chegar cumprimente o entrevistador e as demais pessoas que estiverem na reunião, se apresentando com um aperto de mãos. Essa prática é a mais antiga e provavelmente a mais importante para demonstrar sua capacidade de demonstrar simpatia.

Boa sorte, sucesso e feliz 2013!

(*) Eduardo Kruger é sócio da Informant, empresa especializada na prestação de serviços terceirizados em Pesquisa e Desenvolvimento de Software
Fonte: CIO
Abs
Luiz
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: