Como vencer a timidez


“A timidez é a mais detestável das prisões. Ela nos tranca dentro de nós mesmos, obriga-nos a presenciar, acorrentados, como o sucesso, o amor, o dinheiro e as melhores coisas da vida desfilam pelo mundo longe do nosso alcance.”       
José Repollés

 

Falar de Timidez é tocar em um assunto que atormenta 50% (cinqüenta por cento) da população mundial. É um mal que persiste ao longo da vida e surge com tanta freqüência que prejudica os relacionamentos pessoais e o desenvolvimento profissional. Em momentos decisivos, uma em cada duas pessoas perde o rebolado e não consegue mostrar todo o seu valor por pura inibição.
Hoje, as empresas esperam que os funcionários façam apresentações, vendam suas idéias a colegas ou clientes, liderem grupos, sejam autoconfiantes, animados e positivos, e a inibição pode representar um grande empecilho para uma pessoa subir na carreira ou até mesmo ser contratada. Outro problema também é a desvalorização do profissional tímido que é visto pelo mercado de trabalho como menos competitivo e com salário 10% (dez por cento) mais baixo em relação ao dos mais comunicativos. Na escola o acanhado também sofre pois não sabe como enfrentar as constantes apresentações públicas de seus trabalhos e discutir as contribuições dos colegas.
Na vida particular, a timidez pode causar estragos ainda maiores pois a dificuldade de engatar conversas com estranhos em festas, bares ou outros locais de paquera compromete também a vida afetiva do tímido.  Intrigante a reação do tímido… este até vai a festas e tem um bom estoque de conteúdo para conversar – até o momento em que se vê no meio de um grupo. Na sala de aula, tem a resposta certa para a pergunta do professor, está louco para mostrar que sabe, mas sua sabedoria se esfuma diante da decisão de levantar a mão. Este é o tímido. Ele é contido por uma voz interior que diz: cuidado, você vai fazer um papelão, os outros vão rir de você. Será muito melhor se você não for visto nem ouvido.
O drama do tímido nunca é a falta de armas para enfrentar os embates da vida. É apenas a falta de coragem no momento de apresentar suas armas.

 

Entretanto, felizmente esse transtorno pode ser vencido, ou pelo menos controlado, na grande maioria dos casos. Uma pessoa tímida pode aprender a dominar a inibição, não sofrer por causa dela e virar um tímido bem-sucedido.

 

Descubra agora as estratégias necessárias para vencer esse mal!
RECOMENDAÇÕES PARA PERDER A TIMIDEZ
1ª – Admita o desconforto. A timidez seria, do ponto de vista médico, como uma unha encravada. Ou seja, um problema escondido, doloroso, de solução simples mas que, às vezes, pode ser paralisante e que necessita a consciência de quem o possui.
2ª – Procure contrariar sua natureza. Exponha-se mais e, principalmente pare de pensar que está sendo observado. As outras pessoas não são juízes implacáveis de seus atos, suas roupas e palavras.
3ª – Seja realista. Pense que nem todas as mulheres são princesas do convívio social e que o mais seguro dos homens pode escorregar.
4ª – Pare de não se atrever. Se numa conversa lhe ocorre uma resposta engenhosa, uma reflexão inteligente, não se cale – atreva-se e fale. Se ganhar alguma coisa de presente ou receber um favor, atreva-se e agradeça… não passe por ingrato. Se lhe fazem uma proposta desconhecida ou algo que sua razão lhe diz que não deve aceitar, não aceite, atreva-se a recusar.
5ª – Perca o hábito de fugir de uma situação perigosa. O medo só pode ser dominado quando enfrentado. Ao sentir medo, pare um instante e reflita se existe algum perigo real nessa temida situação. Se não existe, seu medo desaparecerá rapidamente à primeira tentativa bem-sucedida que fizer.
6ª – Não dê importância excessiva aos outros. O que importa em primeiro lugar é você, é o seu desejo de realizar algo e realizá-lo. Seja fiel aos seus sentimentos e desejos. A opinião das outras pessoas deve ser analisada, mas sempre é secundária, caso contrário você estará vivendo aquilo que as outras pessoas querem que você viva, você estará colocando em prática aquilo que eles acreditam. E o que você acredita, não conta?
7ª – Não pense que todas as pessoas estão contra você. Acredite: na maior parte do tempo não estão. Quando você vai realizar um trabalho, falar com alguém ou fazer um discurso, lembre-se de que todos, em sua maioria, desejam que você seja bem sucedido e que não fracasse.
8ª – Quando quiser realizar algo difícil, prepare seus planos de antemão e com cuidado. Principalmente, certifique-se do que pretende dizer, de como dirá e do que fará.
9ª – Enfrente resoluto aquilo que deve fazer ou dizer. Empregue toda a sua energia nos primeiros minutos de seu trabalho, conferência ou o que seja, de modo que pouco lhe restará para as preocupações. E comece sempre com algo sobre o que está seguro, aquilo que possa fazer ou dizer com convicção.
10ª – Vista-se bem e conduza-se bem. Não se perturbe ao relacionar-se com os outros se está apresentável. Entre e saia dos lugares sem se apressar nem se envergonhar. Olhe as pessoas nos olhos, mas sem arrogância ou desafio.
11ª – Procure fazer parte de alguma associação, grêmio, clube. Às vezes lhe será útil pertencer, por exemplo, a uma associação recreativa ou profissional, um clube, uma sociedade, etc. Isto diminui a sensação de solidão e quase sempre proporciona uma sensação de poder que provavelmente lhe falta quando você está sozinho.
12ª – Sempre que resolver fazer alguma coisa, defina claramente seus objetivos.
13ª – Tome a iniciativa de enfrentar as pessoas que o intimidam e ao conversar com elas aborde temas que domine inteiramente e que possam despertar o interesse de seu interlocutor.
14ª – Você precisa se interessar mais pelas pessoas, pois assim elas se interessarão mais por você!

 

15ª – Conheça profundamente as pessoas e as situações que o intimidam e tente por todas as maneiras vencer sua irresolução.

 

16ª – Não pense que a causa de seus temores justifica sua conduta. 
17ª – Nunca se deixe levar pelas aparências externas e superficiais, sempre que julgar descobrir desdém ou ironia num gesto ou sorriso de seu interlocutor. Interprete com justiça as palavras e gestos das outras pessoas, sem dar-lhes o sentido desfavorável que muitas vezes não têm.
18ª – Procure sempre agir por conta própria e admita a opinião dos outros apenas quando forem justas. 
19ª – Procure causar boa impressão exterior 
20ª – Para permanecer imperturbável, você deve fazer o seguinte: 

 

* Reprimir os gestos desastrados e as palavras vacilantes.

 

* Dominar quaisquer reações diante do que vir ou ouvir, contendo-se e permanecendo silencioso e indiferente.

 

* Quando se dirigir a alguém, fale olhando-o nos olhos e sustentando seu olhar sem humildade nem orgulho mas com dignidade.

 

* Elimine o temor infundado que sente quando vai enfrentar uma situação que o intimida.

 

* Procure não deixar que nada nem ninguém o desmoralize.

 

* Adote uma postura correta, elegante e firme. Não se preocupe com a atitude irada ou descortês dos outros em relação a você.
21ª – Preocupe-se mais em ser do que em parecer ser, ou aparentar que pode. 
22ª – Nunca se guie por sua imaginação desenfreada, e sim por seu próprio julgamento, correto e bem fundamentado.
23ª – Quando sua vontade lutar contra outra vontade igualmente forte, não se deixe desmoralizar por isto. Entre na luta com afinco e não se dê por vencido de antemão.
24ª – Acima de tudo, decida-se a vencer. Diga a si mesmo que terá sucesso em tudo aquilo que resolver fazer. Ninguém dará muita importância a um fracassado ou a quem se comporta como tal. Lembre-se de que adquirimos um hábito de conquista, tão acentuado quanto qualquer outro. E a vitória chega a ser, em grande parte, um estado de espírito.
DICA… 

 

Se no decorrer de uma crise de timidez, a pessoa tiver suficiente decisão para apagar de seus gestos e sorrisos todo aspecto forçado e desastrado, acabará por controlar a perturbação que a domina e se sentirá audaz, ou pelo menos descontraída.
Em qualquer caso, não demostre surpresas nem irritação, nem impaciência nem despeito ou perturbação. Conserve a calma exterior de seus gestos e adquirirá a paz interna de espírito. Quando puder dominar o seu ânimo, será também dono da situação. Enfrentar as situações não tem nada assim de tão terrível, porque, na maioria das vezes, o temor está é dentro de nós mesmos, não na situação que devemos encarar.
Só em último recurso, quando o indivíduo for incapaz de dominar sua timidez por suas próprias forças, ou quando se tratar de um anormal, deve-se buscar tratamento médico.
Por Wellington Moreira
Palestrante e consultor empresarial
wellington@caputconsultoria.com.br
Abs
Luiz
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: